Governo de Alagoas inaugura primeiro Ambulatório Estadual de Vias Aéreas Pediátricas

Seja bem vindo
Maceió,04/03/2024

  • A +
  • A -
Publicidade
Publicidade

Governo de Alagoas inaugura primeiro Ambulatório Estadual de Vias Aéreas Pediátricas

Espaço será inaugurado no Hospital da Mulher Drª Nise da Silveira nesta sexta-feira, 19, às 10h

Fonte: secom/AL
Governo de Alagoas inaugura primeiro Ambulatório Estadual de Vias Aéreas Pediátricas Ambulatório integra o Projeto Respirar, lançado no mês de dezembro de 2023. Foto: Carla Cleto / Ascom Sesau
Publicidade

O Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), em parceria com a Secretaria da Primeira Infância (Secria), inauguraram, nesta sexta-feira (19), o primeiro Ambulatório de Via Aéreas Pediátricas do Estado. O lançamento ocorrerá, às 10h, no Hospital da Mulher Drª Nise da Silveira (HM), localizado no bairro Poço, em Maceió. Durante o lançamento, também serão inaugurados a Central de Atendimento Móvel e o Centro especializado do Estado.

O ambulatório integra o Projeto Respirar, lançado no mês de dezembro de 2023, visando à reversão e a retirada dos dispositivos de traqueostomia, possibilitando uma melhor qualidade de vida para os pacientes. O projeto conta com o atendimento de equipe multidisciplinar para o atendimento das crianças que por alguma alteração ou complicações de algumas patologias precisaram portar um dispositivo chamado traqueostomia.

O cirurgião torácico do Centro de Via Aérea Pediátrico da Santa Casa de Maceió e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica (SBCT), Wander Mattos Cardoso, explica que o projeto irá viabilizar cirurgias e demais procedimentos de traqueostomia infantil. “Esse projeto existe porque essa criança não vai respirar adequadamente e, consequentemente, ela não consegue acesso aos estudos, muitas vezes, não consegue falar, não respira pelo nariz, então a cognição fica prejudicada. Uma série de implicações sociais que afastam essas crianças da sociedade”, disse.

O programa irá, também, realizar um banco de dados sólidos e avaliar o tamanho da penetração que o projeto terá nas Unidades de Terapias Intensivas (UTI). “É difícil ter uma estatística que consiga prever a morte pediátrica relacionada a problemas obstrutivos da via respiratória porque, muitas vezes, existem outras complicações em torno desse problema que são ajustadas na causa morte como o CID principal. O método de rastreio estatístico é muito ruim. Mas agora não mais será”, ressaltou o cirurgião torácico Wander Mattos Cardoso.

Para o secretario de Estado da Saúde, o médico Gustavo Pontes de Miranda, o Ambulatório de Via Aéreas Pediátricas e o Projeto Respirar é um marco na história da saúde alagoana. “A saúde está realmente empenhada em fazer o melhor para todos os alagoanos; o impacto que esses projetos terão sobre essas crianças e seus familiares serão fundamentais para o tratamento mais humanizado”, destacou.

Publicidade



COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha